sábado, 8 de dezembro de 2018

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

"QUEM PODE FAZ É JÁ, É AGORA, É NESTE INSTANTE, É NESTE MOMENTO E NESTE ANO (2018), ENTENDERAM?

O título é apenas um lembrete para os inoperantes, incompetentes e inoperantes de plantão!




GRANDES EMPRESAS, PARCEIROS, ANUNCIANTES E PATROCINADORES DO GRUPO KÉSSIO JHONIS DE COMUNICAÇÃO:




quarta-feira, 31 de outubro de 2018

2º turno das eleições 2018 em SFI e todo estado do RIO DE JANEIRO!

A vitória do novo Presidente eleito JAIR BOLSONARO é a prova contundente que quando um povo, uma nação, o povo quer, nada segura e o povo da a resposta e coloca e tira o governante que quer (claro que nisso quando é uma maioria). Eu torci pro FERNANDO HADDAD somente pela demagogia que foi e é pregada por 40% de algumas pessoas de SFI onde pregam honestidade, caráter e senso, mas n passam de corruptos, irresponsáveis e inoperantes. O que me indignou em alguns torcedores e eleitores do BOLSONARO em SFI é que prega honestidade igual o "MITO", mas é um ser corrupto, mercenário e na verdade um bandido. Eu concordo sim, um chefe de família um homem de bem votar e querer um mudança em BOLSONARO, já quando vejo o mercenário, corrupto se bandear assim: eu me indigno.
Pode-se tirar o chapéu pro novo presidente eleito, pelo fato de que conseguiu tirar o PT (Lula e todos seus aliados), onde quem verdadeiramente mandava no país e governou como governou.
Outra prova que muitos governantes, vereadores, Prefeitos e várias autoridades do estado não estão com nada, a ponto do DESPRESTÍGIO é a derrota de EDUARDO PAES, onde 80% das prefeituras e municípios naufragaram neste apoio. Houve PREFEITO que teve medo e já sabia da rejeição de EDUARDO PAES que se calou em pedir o voto no 2º turno, o Grupo KÉSSIO JHONIS de Comunicação parabeniza o novo Governador eleito WILSON WITZEL e dizemos com DESEJO E NA TORCIDA que a justiça seja feito em todas as cidades do estado do Rio e em todo o país.

"O HOMEM DE BEM, HONESTO, DIGNO, HONRADO, EU ACEITO QUE VOTE EM PESSOAS DO MESMO NÍVEL; CORRUPTO, SAFADO, LADRÃO, MERCENÁRIO, TEM QUE ESPERAR ALGUNS DIAS PRO RESULTADO DAS ELEIÇÕES."

Késsio Jhonis!


GRANDES EMPRESAS, PARCEIROS, ANUNCIANTES DO GRUPO KÉSSIO JHONIS DE COMUNICAÇÃO!



segunda-feira, 17 de setembro de 2018

"Nem Lula, nem Bolsonaro, nem hexa. Vidente faz mais revelações sobre Brasil de 2018!"

A imagem pode conter: 1 pessoa, atividades ao ar livre e close-up

Um banner instalado na recepção de um hotel na Asa Norte avisa: Carlinhos, o vidente famoso por ter “acertado” a queda do avião da Chapecoense, em 2016, atenderia no local pelos próximos três dias. A propaganda vinha acompanhada de uma foto do adivinho e uma lista de outras previsões certeiras – o divórcio de Lívia Andrade (para informação: modelo, dubladora e atualmente apresentadora do programa “Fofocalizando”, no SBT), a ausência de Neymar em um dos jogos da Copa do Mundo de 2014 e o fiasco do 7×1 contra a Alemanha.

Parece o bastante para convencer seguidores. Na sua quarta temporada de atendimentos na capital – a média é de uma visita a cada “dois ou três meses” –, ele esperava reunir 20 toneladas de alimentos e 10 mil brinquedos para doar a instituições carentes. As arrecadações são o ingresso da “consulta” com o guru. Quem quiser saber sobre o futuro precisa levar R$ 100 em alimentos ou cinco brinquedos de R$ 20 cada. Carlinhos enche a boca para dizer que sustenta 18 mil famílias com suas benfeitorias pelo país e que nunca ficou com nada recebido nesses encontros.

Só uma porta e um segurança separavam Carlinhos de sua clientela. “Mexo muito com político. Então, esse pessoal aí me acompanha”, justifica. Já eram 15h da quinta-feira de feriado em Brasília (30/11), mas, na sala de espera, havia gente aguardando desde as 7h. Algumas ensaiavam a “selfie” perfeita para não perder a chance quando chegasse a hora. O vidente abre a porta com um sorriso largo. Fala alto, exala um cheiro forte de perfume. “Fiquem à vontade”, convida, simpático.

Carlinhos, o vidente, na verdade não se chama Carlos. Nasceu José Ferreira dos Santos 55 anos atrás, em Galiléia, cidade mineira de 7 mil habitantes na região do Vale do Rio Doce. Ao contar sua história, fecha os olhos da mesma forma que faz quando está para adivinhar quem será o próximo presidente do Brasil.

O apelido veio dos irmãos – ele é o mais velho de 11 –, que o chamavam de “Cacá”. “Aí, Cacá, Carlinhos”, conclui, como se fosse óbvio. Os pais eram crentes, muito pobres e perderam cinco filhos para a fome. O vidente mesmo passou dias sem comer até descobrir seu dom para adiantar coisas ainda por acontecer. Afirma que um velho cheio de feridas nos braços aparecia em seus sonhos, colocava a mão na sua “barriguinha” e dizia que ele seria o “curador de todas as enfermidades”. “Mas como, se eu era só um menino?”, indaga.

Te benzo e te curo:

A resposta, prossegue, veio aos 9 anos. Segundo Carlinhos, foi quando uma vizinha moradora da mesma favela em Galiléia, uma noite, aos prantos, adentrou o barraco onde ele morava. A mulher procurava refúgio após ter tomado uma surra do marido. “Coloquei a mão na cabeça dela e, brincando, disse ‘te benzo e te curo’ e soltei um palavrão”, conta. “No dia seguinte, ela disse para a minha mãe que eu devia ter um pacto com o demônio, porque a dor tinha passado. Como minha mãe era muito crente, soltou um ‘sangue de Jesus tem poder!’”, detalha.

A história do dom de “cura” do menino correu pela cidade e, conforme suas memórias, a casa da família passou a ser ponto de peregrinação de doentes e mazelados dos arredores: “Pegavam minha mãozinha e colocavam onde doía”. Um delegado disse que tinha um time de policiais cheios de dores na coluna por conta do trabalho e pediu para o garoto usar o tal poder e curá-los. Em troca, encheria sua geladeira de comida. As caixas de leite passaram a ser tantas que ele começou a distribuir comida aos necessitados da cidade.

Desde então, Carlinhos vive da sua “vidência”. Embora não cobre pelas previsões, usa a fama que arrecadou com algumas premonições certeiras para angariar patrocínio. Às vezes, aparece com boné e camiseta de redes de supermercado em troca de uma espécie de salário e faz propaganda para uma dupla sertaneja. Trocou Minas pelo Paraná, mas vive na estrada. Só passa em Apucarana, cidade onde mora, “para trocar de mala”. No site, o vidente exibe uma agenda concorrida. Na próxima semana, vai distribuir previsões em Porto Alegre (RS), onde mais de 5 mil pessoas esperam por ele, pelas suas estimativas.

 ANÚNCIOS, EMPRESAS E PARCEIROS DO GRUPO KÉSSIO JHONIS DE COMUNICAÇÃO!